Publicado em

I Festival de Violão de Teresina

Fundação Monsenhor Chaves lança I Festival de Violão de Teresina

 

Com o objetivo de disseminar a arte e música, a Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves lança o I Festival de Violão de Teresina. O evento será realizado nos dias 17,18 e 19 de novembro no Palácio da Música e reúne músicos experientes conhecidos nacional e internacionalmente para apresentações, palestras e masterclass. A entrada e inscrições são gratuitas.

 

“Teresina é praticamente a capital o violão. A FCMC tem em seu quadro os melhores violonistas da cidade, então sentimos a necessidade de mostrar o trabalho dos professores, alunos e os talentos para toda a sociedade”, afirmou Abiel Bonfim, superintendente da FCMC.

 

O evento visa fomentar o desenvolvimento de músicos, com cursos e encontros, em momento de intercâmbio cultural, além de presentear a comunidade com apresentações gratuitas de grandes músicos.

 

As inscrições podem ser realizadas no Palácio da Música de Teresina, localizado no cruzamento das ruas Santa Luzia e Treze de Maio, nª 1241, Centro. Ainda de acordo com Abiel Bonfim, a primeira edição do festival será marcada pela troca de experiência entre artistas. “A programação foi pensada para atender todas as idades. Com as aulas, os inscritos vão poder tirar dúvidas, aprender e conhecer o que está sendo feito em outros Estados e países”, disse.

 

Entre os convidados estão: Marco Pereira, Elodie Bouny, Alessandro Penezzi, Daniel Murray, Antonio José Rodrigues (Luthier), Alessandro Soares (Diretor do Acervo do Violão Brasileiro), Felipe Vilarinho, Damião Bezerra, Wellington Torres e a Orquestra de Violões de Corrente e Teresina.

 

De acordo com o violonista e um dos coordenadores do festival, Josué Costa, a expectativa com o evento é alta devido a Teresina ser uma capital com grande número de violonistas. “Nossa cidade tem uma riqueza violonista muito forte, temos muitos talentos, projetos, escolas de música e o nascimento desse festival fomenta a nova geração, ele vem para ajudar e manter viva a tradição e o amor pelo violão na capital”, comenta.

 

Confira a programação completa do I Festival de Música de Teresina:

17/11 – Sexta-feira

 

19h: Cerimônia de abertura;

19h30: Recital de abertura com a Orquestra de Violões de Teresina;

20h15: Recital com Alessandro Penezzi;

 

18/11 – Sábado

 

08h: Palestra com Antonio José Rodrigues (Luthier)

14h: Palestra com Alessandro Soares (Diretor do Acervo do Violão Brasileiro)

17h: Recital com Orquestra de Violões de Corrente

17h40: Recital com Felipe Vilarinho

20h: Recital com Elodie Bouny

20h45: Recital com Daniel Murray

 

19/11 – Domingo

 

08h: Masterclass com Elodie Bouny

11h: Recital com Fabricio Gallegos Rojas (Projeto Concertos Matinais)

14h: Masterclass com Daniel Murray

17h: Recital com Damião Bezerra

17h40: Recital com Wellington Torres

19h30: Cerimônia de encerramento;

20h15: Recital com Marco Pereira, participação de Elodie Bouny

 

FONTE: PORTAL PMT

Prefeitura Municipal de Teresina.

Publicado em

Clipe “Sua Cara” bate 2,7 milhões de acessos em uma hora.

O clipe do Major Lazer com Anitta e Pabllo Vittar estreou com toda pompa e circunstância neste domingo (30/7) e já é sucesso de popularidade. O trio americano de música eletrônica anunciou que o vídeo de “Sua Cara” bateu 2,7 milhões de visualizações no Youtube. Os dados são privados. Para o grande público, o Youtube travou a contagem em 479 mil com cerca de 20 minutos no ar.

“Sua Cara” está em 1º lugar na lista “em alta” do Youtube no Brasil. O vídeo era aguardado com muita expectativa pelo público no país. Anitta e Pabllo viajaram para o Marrocos especialmente para a gravação e mostraram os bastidores nas redes sociais: cada foto ou pequeno vídeo tinha enorme repercussão em tempo real.

Autor: Portalpopline.com.br

Publicado em

O que seu gosto musical diz sobre você

A psicologia experimental conclui que basta saber o ‘estilo de pensamento’ de alguém para adivinhar quais músicas emocionam-no.


Há algo mais pessoal que o seu gosto musical? Essas canções que alcançam sua alma ou o deixam excitado, que alcançam o centro geométrico da sua emoção e alteram, sem intermediários, seu estado de ânimo não são o produto mais destilado da sua eleição consciente? Bem, em uma única palavra, não. Os psicólogos experimentais de Cambridge demonstraram que os nossos gostos musicais são bastante previsíveis. Basta conhecer o estilo de pensamento de uma pessoa – se tende a simpatizar ou a sistematizar – para adivinhar qual música ela gosta. E os detalhes são muito interessantes.

A questão não é se alguém gosta de jazz, do tango, de música clássica, de calipso, de rock ou de pop. Essas são questões não apenas mais abrangentes, mas ultrapassadas: o tipo de pergunta cuja resposta não serve para nada. A questão é muito mais sutil e interessante: se dentro do jazz, você prefere Billie Holiday ou John Coltrane; se como ouvinte de música clássica, prefere Mozart ou Bartok; se ao escutar pop, ouve Beatles ou Rolling Stones, e quais canções dos Beatles ou dos Stones. O diabo mora nos detalhes, como sempre.

David Greenberg e seus colegas da Universidade de Cambridge mostraram empiricamente no PLoS ONE que a música que uma pessoa gosta pode ser facilmente deduzida a partir do seu estilo de pensamento, um parâmetro psicológico que divide os humanos em duas grandes categorias: os simpatizantes, que baseiam seu comportamento em avaliar e responder às emoções dos outros (e, portanto, são mais Mozart); e os sistematizadores, que se dedicam mais a descobrir as pautas e regularidades que o mundo esconde (e ficam com Bartok). Essa teoria deve-se ao psicólogo de Cambridge, Simon Baron-Choen, que assina o trabalho como segundo autor.

Um número cada vez maior de investigações psicológicas e sociológicas utilizam as redes sociais como matéria prima, e a de Greenberg e seus colegas é a última delas. Recrutaram 4.000 participantes pelo aplicativo myPersonality do Facebook, que pede aos voluntários que se submetam a uma série de perguntas psicológicas.

Alguns meses depois, os cientistas pedem a esses mesmos voluntários escutarem 50 músicas e classificá-las por notas. As canções pertencem a 26 gêneros e subgêneros musicais, para garantir que o gênero não importa e que são as preferências dentro de cada gênero que serão levadas em conta.

Os resultados são estatisticamente nítidos: os simpatizantes preferem o rythm & blues, o rock suave – ninguém compôs baladas mais profundas que as feras do heavy metal -, a canção melódica e os cantores. Os sistematizadores preferem o rock pesado, o punk, o jazz de vanguarda e outras construções melódicas complexas e sofisticadas, o tipo de música que nunca se ouve em um elevador. Com certeza o leitor já sabe em qual dos grupos está situado.

O cérebro e primeiro autor do trabalho, David Greenberg, não apenas é um doutorando em psicologia, mas também formou-se em saxofone em Nova York. “Seria possível”, afirma ao EL PAÍS, “olhar os likes que uma pessoa dá no Facebook, ou sua lista de músicas no iTunes, e prever o seu estilo cognitivo, o estilo de pensamento”. Não cabe a menor dúvida de que isso será interessante aos empresários do setor. Que, certamente, obterão essa informação grátis de Greenberg e PLoS, enquanto eles não liberarão nem metade.

Um dos parâmetros utilizados pelos cientistas de Cambridge é a “profundidade cerebral” de uma música. O que é isso? “Baseia-se na complexidade estrutural que só é escutada em gêneros de vanguarda”, responde o psicólogo e músico de Jazz. “A estrutura harmônica de Giant Steps [o auge do período hard bop de John Coltrane] cumpre sem dúvidas essas características. Mas a música de Coltrane é tão interessante porque não tem apenas esse nível de profundidade cerebral, mas também uma grande profundidade emocional”.

O psicólogo Greenberg jamais teria realizado essa experimentação não fosse pelo músico Greenberg. “Enquanto estudava jazz em Nova York, eu me dei conta que alguns dos meus professores ensinavam com um foco simpatizante e outros com uma estratégia mais sistematizadora. Isso me deu a pista de que os estilos cognitivos poderiam explicar as diferenças individuais com as quais as pessoas interagem com a música”.
Se não gosta de se expor em público, melhor não colocar músicas em festas.

 

Autor: brasil.elpais.com

Publicado em

Fundação lança edital para as inscrições para o Teresina É Pop

O festival de música acontece nos dias 24, 25 e 26 de agosto.

Desde esta segunda-feira (24) grupos, bandas e artistas do Estado do Piauí que tenham produção musical autoral e contínua no cenário local podem se inscrever na décima edição do Teresina É Pop. O tradicional festival de música do município acontece nos dias 24, 25 e 26 de agosto no estacionamento da ponte Estaiada. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas na sede da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMCMC) até dia 04 de agosto.

Aqueles que pretendem participar do evento, devem manifestar interesse através da entrega de proposta do show segundo o edital, com os seguintes requisitos: ficha de inscrição, release e fotos para divulgação, CD com música autoral, relação das músicas a serem apresentadas durante o show constando os nomes dos respectivos autores, mapa do palco e clipagem com registro de mídia de shows atualizada.

Um representante ou produtor da banda/grupo deverá se responsabilizar pela entrega do material, munido de cópias dos documentos (CPF, RG, PIS/PASEP ou NIT, Conta no Banco do Brasil, Comprovante de Residência).

SISTEMÁTICA

A seleção das bandas irá acontecer através de uma comissão de técnicos especializados em música ou produção musical.Serão escolhidas 15 bandas locais, que se irão se dividir nos três dias de evento em apresentações de 01 hora. A organização colocará à disposição dos participantes, aparelhagem de som, iluminação e uma bateria, ficando os demais instrumentos sob a inteira responsabilidade de cada músico, conforme sua necessidade.

O resultado dos grupos, bandas ou artistas selecionados será divulgado no site da PMT, www.prefeituradeteresina.pi.gov.br, no dia 08 de agosto.

Confira o edital.

 

Autor: portalpmt.teresina.pi.gov.br